Carregando...

Duas leituras #001

por Robson Assis | | 8.1.11

Dois textos interessantes com opiniões sobre música. Para um sábado tranquilo. Os textos estão em inglês, mas não é nada impossível de ler. So, enjoy it.

::::A ÚNICA DROGA QUE EMINEM NÃO CONSEGUE ABANDONAR #
"Certas vezes, o sonho de fazer algo é mais divertido do que a conclusão real.

Se existe algo sobre Eminem que se manteve firme durante todos estes anos é o fato de que ele odeia a idéia de ser famoso. Ele transpareceu isso em 'Say Goodbye Hollywood', de 2002, e os efeitos negativos de seu estrelato internacional tem se mostrado repetidamente desde então [...] Tudo o que ele sempre quis era ter certeza de que Hailie [filha do rapper] tivesse uma boa vida. E ele fez isso, apesar de certa relutância em aceitar os prós e contras deste processo. [...] Com isso em mente, rimar pagou suas contas e sua mais recente façanha no trabalho lhe rendeu o álbum de maior venda no ano [...] o mais orgulhoso torcedor do Detroit Red Wing expressa liricamente o emaranhado de inferno e sucesso pessoal ao qual se enfiou."

leia na íntegra [em inglês]

***

::::O QUE SIGNIFICA SER UM FÃ DE MÚSICA MAINSTREAM HOJE? #
"[...]É como se naquela época (anos 1960 e 70), cada pessoa tivesse algum grau de paixão pela música, mesmo se essa música estivesse no nível do mainstream. E eu acho que o motivo foi a qualidade global da música que eles estavam acostumados [...] a definição de um fã mainstream mudou radicalmente a partir da época de meus pais, e falando da minha época (anos 90) para agora, esta mudança é ainda mais drástica.

Hoje, o rap mainstream é um concurso de gritos. Quem faz a mais repetitiva e ignorante busca de atenção pode se destacar no ciberespaço [...] o hip-hop mainstream contemporâneo é preso na presente câmara de eco do sensacionalismo e da falta de originalidade. A maior parte dessa música é uma sombra do que ele mesmo foi em 1999 quando a geração TRL tomou conta [...] especialmente se você considerar que uma grande quantidade de hip hop hoje é realmente 'auto-destrutiva'. Sem dúvida, estes fatores têm degradado a nossa música e cultura.

Como entusiastas da música e de artistas, temos de estar conscientes do que aconteceu com o mainstream e como isso aconteceu. Além disso, temos de estar conscientes de quem é mais responsável por criar uma disparidade tão grande entre as principais correntes de ontem e de hoje. Se fizermos isso, nós podemos afetar o tipo de mudança no mainstream que, pelo menos, garante aos jovens a melhor chance de uma escolha variada de música de alta qualidade."

leia na íntegra [em inglês]

2 comentários:

CANBECK disse...

brother está de parabéns pelo blog.
muito bom mesmo, estou lhe seguindo pelo twitter, vamos manter o elo de posts. abrzz

Robson Assis disse...

Salve, Welliton, valeu! Vamos manter sim, essa é a meta, tamo junto.

Abração.

Postar um comentário