Os livros de julho

por Robson Assis | | 4.8.10

J.R.R. Tolkien, Senhor dos Anéis vol. 1, A Sociedade do Anel - Provavelmente todos conhecem a história de Frodo, Gandalf, Aragorn e Bilbo, o bolseiro. Menos eu, que assisti os dois primeiros filmes sem dar a devida importância. Embora o tamanho da saga (3 livros de 300, 400 páginas e outros dois livros adicionais O Hobbit e Silmarillion) assuste os primeiros olhares, se mostram tranquilos e envolventes na medida do possível. Este primeiro livro parece preparar o terreno para os outros todos, descrevendo histórias, contos e cantos da Terra-Média até que você esteja completamente submerso ao mundo criado por Tolkien. Não menos sensacionais são os processos de identificação com os personagens, de maneira que você pode ser surpreender ao perceber que está falando daquele pilantra do Boromir, como um antigo amigo seu que perdeu a confiança. Além, de tudo, a natureza a descrição dos lugares e dos povos garante a perfeita sensação de já ter conhecido aqueles lugares e pessoas.

Caco Barcellos, Rota 66 - Uma crítica densa aos policiais da ROTA, de São Paulo, do pós ditadura ao começo anos 90, quando a obra foi lançada. O ponto de partida é o caso que dá nome ao livro, o assassinato de três jovens de classe alta, num bairro nobre da capital. Em cada caso, o autor utiliza os argumentos de uma perícia que nunca existiu neste tipo de crime, envolvendo os vigilantes das ruas. Aponta ainda diversas falhas do sistema jurídico, em que muitas vezes as provas e depoimentos são omitidos e/ou esquecidos quando se trata de acusar policiais. Who watch the Watchmen?, sabe? Sem esquecer o papel amendrontado de hospitais públicos forçados a receber corpos de vítimas já mortas como se estivessem em estado grave, uma prática comum aos assassinos da ROTA, como se pode verificar através do banco de dados criado pelo jornalista. O que poderia ser um livro de ficção quase fantasmagórico e apelativo, é uma realidade crua e que faz parte do cotidiano dos bairros pobres da periferia de grandes cidades. A cada caso, uma família despedaçada pelo acaso de atravessar o caminho de uma Veraneio cinza.

Charles Baudelaire, Escritos sobre arte - Quatro ensaios sobre arte do poeta e escritor de Flores do Mal - que mais tarde descobri ser também um ensaísta e crítico influente. Formato pocket book, mostra-se uma leitura (a) hábil quando dos detalhados conceitos como no ensaio sobre o riso, (b) densa quando trata de arte filosófica e (c) amável quando fala sobre a vida e obra de Montaigne. Um livrinho quase imperceptível para uma estante, um livro gigante para coroar a mente com conceitos artísticos e formas de expressão crítica.

4 comentários:

Ahh... Line. disse...

Rota 66 é otimo, melhor que ele eu diria Abusado do Caco também.

beijos

Ahh... Line. disse...

follow me http://twitter.com/alinefuego

jefhcardoso disse...

Você leu esses três livros em julho? Interessei me por CHARLES BAUDELAIRE.
Abraços.
Jefhcardoso do
http://jefhcardoso.blogspot.com

vato cria das ruas... disse...

só livru massa ai mano sumemu um eu jha li rota 66 ta na mnha lista outro dois.. paz...

Postar um comentário