D'outro lado da janela

por Robson Assis | | 6.6.09

Sei lá, é só uma madrugada. Fria, de junho, como nos poemas mais sombrios. Daqui pra ver o ponto de ônibus, um ou outro carro passando ao acaso na avenida, luzes de sirene bem longe. O lugar em que vivo é realmente demais. Mesmo as vilas, as ruas mal cuidadas, os portões e as lixeiras com sacos pretos bem amarrados. Tudo é clareado por uma luz que não é branca, que não traz tranquilidade. Tudo tem uma certa urgência em ser salvo. Essa é a cor da luz. Nunca se sabe o que pode acontecer na rua às cinco da manhã. Aqui em casa sou eu e minha consciência. Lá fora, o resto do mundo.

3 comentários:

Robson Canto disse...

Salve, salve guerreiro bom!!!

Canto

Duds disse...

Nós, mal vivemos, enquanto o resto do mundo apenas sobrevive.

tô precisando de uma palavra com os camaradas.

lubass20 disse...

O twitter do Marcelo Camelo é FAKE: http://blogs.myspace.com/index.cfm?fuseaction=blog.view&friendId=203055730&blogId=493621097

Postar um comentário